A gente cansa de repetir (e de ouvir) nos nossos cursos, o quanto os desafios das mulheres para avançarem em cargos de liderança, vem de estereotipos e pressões culturais. Claro que para chegar a essa conclusão, só olhando de perto o quão somos treinadas a sempre ver as coisas como sempre foram, pois é muito fácil cair na armadilha mais traiçoeira de todas: repetir pré-conceitos sem nem parar para pensar o que eles significam.

Quando falamos de meninas e meninos, isso fica muito gritante. Se a menina é curiosa, assertiva e determinada, os adultos dizem que ela é cheia de vontades e mandona. Se o menino é bagunceiro e desobediente, ouvimos que ele tem muita energia e vontade própria e, certamente será um vencedor. E quando pegamos a nossa lupa dos estereótipos, vemos muito mais claramente de onde vem todas essas categorizações: dos papéis que se espera de meninos e meninas.

Outro dia em um curso, durante o café, uma das alunas disse: Eu queria muito adotar uma criança, mas tem que ser menino, pois menina é muito complicada. Chocada, minha amiga e sócia, Renata Moraes perguntou porque meninas são complicadas e a aluna respondeu: Ah, menina dá trabalho. Tem que colocar laço no cabelo… Renata insistiu: Estamos aqui num evento com 60 mulheres e você está vendo alguém de laços no cabelo? A aluna se calou e a conversa parou por ali. No entanto, durante o workshop, quando mostramos os dados de diferenças salariais entre homens e mulheres no Brasil, ocupando as mesmas posições e cargos, Renata falou em tom de ironia: Os gestores tem mesmo que pagar menos para as mulheres, afinal elas são mais complicadas e dão mais trabalho. Ao final, a aluna veio falar que percebeu o quanto ela (e todas nós!) repete mantras que nos foram ensinados, sem fazer reflexão alguma sobre o assunto.

Chegando o Dia das Crianças, nada mais importante do que refletir. Por que as meninas não podem ganhar carrinhos? Mulheres não dirigem na nossa sociedade? Empresas de transporte coletivo urbano já estão à caça delas, por se destacarem na profissão. Por que homens não podem ganhar bonecas ou panelinhas? Cada vez mais meu amigos tem se mostrado ótimos pais e ficaria aqui até amanhã se quisesse listar os nomes dos melhores cozinheiros do mundo. Homens.

Nas férias, procurando diversão para minha filha Rafaella de quase 4 anos, achei o anuncio abaixo no site de um Shopping em São Paulo. Olhem bem para a linguagem que descreve as atrações. Nem preciso dizer que os meninos são desafiados a pensar e as meninas são estimuladas a serem bonitas e agradarem aos espectadores. Rafaella passou longe desse shopping, é claro.

E olhem que nem estou discutindo aqui, o Índice Pink de Preço. Uma consultoria internacional fez um levantamento de preços entre itens similares (brinquedos, eletrônicos, roupas), mas de cores diferentes e descobriram que os itens cor de rosa são até 37% mais caros do que os outros.

A questão não é meninas brincarem só com brinquedos de meninos e vice-versa. A questão é que não existem brinquedos de meninas e brinquedos de meninos. Brinquedos não tem gênero. E essa é a lição que quero deixar pra vocês. Rafaella sabe todas as musícas de Frozen e escolheu o tema da festa dela de Star Wars, porque ama o Darth Vader (tudo bem que ela não conhece ainda muito bem qual o caráter dele…rs). A questão é que ela pode ser, gostar, ganhar e querer o que quiser. E é isso que os presentes do dia 12 de outubro devem dizer para as crianças: Você pode qualquer coisa!

Rafaella, vestida de Princesa Anna (Frozen) e com máscara do Darth Vader.

Pensando em quantas crianças podem ser mais felizes e autênticas no próximo dia 12, faça a seguinte pergunta na hora de comprar o presente: Meninos e meninas podem brincar/usar isso? Assim, começamos a escolher melhores presentes, que vão criar melhores pessoas e essas certamente irão criar um mundo melhor.

Deixo aqui 3 ótimos vídeos protagonizados por crianças, que questionam os padrões de consumo que lhe são impostos.

https://www.youtube.com/watch?v=-CU040Hqbas

https://www.youtube.com/watch?v=fLO0eQuc-sQ

https://www.youtube.com/watch?v=TxGVpa40qZM